segunda-feira, 30 de março de 2009

Samba de Morro

Veja os comentários deixados sobre Samba de Morro!

3 comentários:

L. Fiscina disse...

Incrível sua capacidade de costurar suas reflexões aludindo ao quotidiano a partir da posiçao que o samba assume como poética e a desconstruçao do real duro, amolecendo-o, tornando-o maleável a vida maleável em suas próprias mazelas.
Achei tb interessante a sua presença no texto, a forma como vc aparece e sai, dando espaço, obviamente, ao samba.
Pois é, meu caro, o samba é uma expressão popular das experiências humanas versadas em prosa ou em verso, mas sempre no balanço das notas.
Legal vc compartilhar essa cultura musical e demonstrar como os afetos humanos são comuns aos homens e como o samba serve como ecxpressão e tb como refúgio.
Todos sofreram por amor, nos braços de alguém, tb já vi a mulher que outrora pensara amar, um caso em que no seu texto mostra não ser uma situação psicológica totalmente destruidora porque ao recorrer ao samba, disso sai música..

a poética, a música e a crônica são realmente excelentes expressões da alma que fazem revelar uma linguagem muitas vezes desconhecida pela própria linguagem, ou desconhecida pelos afetos que a orientam..
se lembrarmos do samba, a vida quotidiana vira música.
a sua escrita e leve e suave, mole como música, vc consegue fazer o leitor sair do seu entorno e vivenciar sensoriamente o texto, acho que esse estilo literário é um dos seus caminhos..
É bom ler seus textos parceiros, sua sensibilidade é extrema!

Renato Rotta disse...

Muito obrigado pelo post companheiro Augusto. Ainda aguardo sua visita para um bom samba em Sampa!

Abraços

Augusto Amato Neto disse...

Amigos: como viver sem?

Obrigado pelos comentários!

A.A.N.