segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Complementar[idade]

João não gostava de bagunça. Apesar de seus sete anos, não permitia nada fora do seu respectivo lugar. Janete bem que sabia disso, afinal, era empregada doméstica ali desde antes de seu nascimento. Naquela época era diferente, era tudo comum. O serviço de um casal, rotina sem graça. Agora, temia as broncas do menino sobre como arrumava a cama ou limpava a cozinha. João não admitia que ela colocasse qualquer louça dentro da pia, pois o ralo é um local cheio de micróbios e bactérias. E quando iria lavar a louça, tinha de ser com água quente. Sem contar os passos que deveria cumprir na limpeza, sempre correndo para que tudo estivesse em ordem quando ele chegasse da escola. Janete só não entendia o motivo de tudo aquilo, mas seguia fazendo sem questionar. João era filho único, de pai Engenheiro e mãe Advogada. Ambos chegavam em casa e eram obrigados a tirar os calçados antes de abrir a porta, indo direto a lavar a mão. A mãe era indiferente a João, queria ter tido uma filha. O pai era o cuidador desde os primeiros dias. Era ele quem acordava durante as noites quando João chorava, mas sempre achou que nunca fizera o suficiente para suprir a displicência da mãe. Ela, por sua vez, no pouco que agia para com João, se incomodava com suas manias, queixando-se para o marido. Ele compreendia a insatisfação dela, mas não conseguia deixar de cumprir as vontades do filho. E não seria Janete quem ousaria contrariar qualquer um deles.

3 comentários:

Priscila Zavagli disse...

Um mini Melvin Udall!!!

Augusto Amato Neto disse...

E se continuar assim, com futuro de Malvin Udall! rs

Eliana disse...

não sei, mas parece que conheci esse menino,rsrs