segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Bico de Lacre

Ele apareceu na boca da Mel, uma labradora de cor chocolate devoradora de pássaros. Apesar de dócil e até medrosa, usa os pássaros como brinquedo, sem se importar com o quanto é fúnebre. Sara correu assim que viu, não é a primeira vez que os salva, mesmo que custe abrir a boca da mel como se fosse um crocodilo. Esse custou mais trabalho, tratava-se de um Bico de Lacre (Estrilda astrild).

Há quem o chame de Bico de Lata, mas suas características principais são: o tamanho pequeno (comprimento: 10,5 cm; peso: 7,5 g) e o vermelho do bico e na sombra dos olhos que se destaca na penugem acinzentada. A salvo da mel, foi levado pela Sara até um jardim fechado e seguro.

Saímos em busca do ninho ou da mãe, pois alçava os primeiros vôos rasantes. Nenhum sinal da família e resolvi trazê-lo pra minha casa, já que não tenho cachorro nem gato. A Sara aprovou a idéia de mais chance de sobrevivência, mesmo que longe dela. Depois de uma longa busca no Google dos cuidados corretos e uma ligação a um criador, passei a alimentá-lo. Resolvi que não o deixaria preso, mas que colocaria numa gaiola para alimentá-lo até que pudesse se cuidar.

Não gostava que ficasse muito em cima, mas ficava calmo quando solto no meio das pessoas. Me acostumei com a companhia no primeiro dia e já contava com ela nos próximos. No meio de uma conversa fui procurá-lo e ele havia escapado da gaiola. Sempre tentava, mas não passava, até que achou um locar possível e fugiu. A procura terminou vinte minuto depois, quando o achei no quartinho do quintal.

Resolvi acreditar no seu “grito de liberdade” e disponibilizar alimento deixando-o solto. Parecia capaz de caçar insetos e de fugir com rapidez, como quando ia atrás dele. Ele acabou voltando pra dentro de casa e deixei-o solto durante e noite. Na manhã seguinte não o achei. Me senti egoísta até, por querer que dependesse de mim e ficasse por aqui. Pensei “devo aceitar a partida para a vida, deixá-lo voar por aí”. Em outros momentos, o imaginava pródigo, voltando para mostrar que conseguira sobreviver e reconhecendo minha ajuda para isso. Foi aí que fiz aquilo que boa parte dos amantes fazem quando são abandonados, substituí o insensível.

Fui até um criadouro de calopsitas e periquitos australianos. Centenas deles, bem cuidados e criados. Decidi levar um casal e pude até escolher. Batizei o macho esverdeado de Frederick Skinner (ou só Skinner para os íntimos) e a fêmea azul decidi que pesquisaria o nome da esposa de Skinner quando chegasse em casa.

Tudo certo com o casal, descobri que a esposa de Skinner chamava-se Yvonne Blue Skinner, o que casou bem com a cor azul dela. Em breve posto uma foto de Skinner e Yvonne, que ainda estão se adaptando a nova casa.

Hoje pela manhã, a Glaucia foi arrumar a casa e achou o Bico de Lacre 36 horas depois do sumiço, morto debaixo de um móvel. Fiquei chateado, podia tê-lo mantido na gaiola para alimentá-lo, mas isso não garantiria a sua sobrevivência. A Sara ficou chateada com a morte daquele que ela salvou, mas vem dormir aqui hoje para conhecer o Skinner e a Yvonne. Faremos o enterro do Bico de Lacre, que sequer teve tempo de ser batizado.








08/02/2010

2 comentários:

didi disse...

Gostei muito deste post. A arte de se dar bem com os animais vem de longa data e parece que não são muitos que têm o dom [Vide situação deles na Terra]. São Francisco conversava com eles. Chegou a salvar um lobo que ia ser abatido por jantar as galinhas do povo da época. Disse a ele que se parasse com aquilo, comeria todo o dia na praça. Passou a ser querido por todos que se reuniam para vê-lo comer os apetitosos pratos que levavam até ele. Os animais criam laços com as pessoas e as ensinam a se amarem.
Só não gostei da fama de minha labradora Mel, pois é dócil e delicada. Seu DNA é de caçadora, porisso...mas é só pedir que ela não morde os bichinhos, vide Chiquinho e Cia

Eliana disse...

Ai lindo da mamãe! Vc puxou ao papai para resolver as situações!!! Porem contava que o Sansão fosse ter uma nova moradia!!! Alegre, afetuoso é um cachorro bebezão que daria muito certo na sua iniciação com os animais na casa. Lembra de que aqui faz parte: Cães, pássaros tartarugas... Manteremos ração e vacinas para seu cachorro, e até banho quinzenal no pet!!!
Animais são presentes de Deus e companias agradaveis em nosso dia a dia. Pense Que Deus o abençoe e o faça um SãoFrancisco. (Comporaamenta!)... Pense no assunto e o hotel para eventuais as para suas viagens ja está disponivel para o Skinner, Ivonne Blue... quando precisar. Ja vou colocar os pregos e fazer o enxoval de brinquedos, balanços pra eles. Deus o abençoe.
Mamãe te ama e tem orgulho do seu amor pelos animais. Herança genética nossa,rsrs