sexta-feira, 7 de maio de 2010

Tanta Ternura - Oficina de Crônicas

Um bom escritor não se contenta apenas em escrever com freqüência. Investe em formação e lê com voracidade. Em qualquer área de trabalho, devemos buscar aprender com quem admiramos. Os atletas que trabalho admiram grande nadadores ou jogadores de basquete. O leitor do Observatório sabe o quanto gosto da escrita de Fabrício Carpinejar. Quando soube de sua oficina em São Paulo, não pude deixar de me inscrever. Abaixo informações do autor.


FABRÍCIO CARPINEJAR

Nasceu em 1972, na cidade de Caxias do Sul (RS), Fabrício Carpi Nejar, Carpinejar, é poeta, cronista, jornalista e professor, autor de treze livros, oito de poesia. Ao mesmo tempo em que seus poemas são recitados pela cantora Ana Carolina nas turnês "Dois Quartos" e "Nove", aparecem como questão de grande parte dos vestibulares do Rio Grande do Sul, como a UFRGS, a Unisc e a UCS.

Sua coletânea "Canalha!" (Bertrand Brasil) venceu o 51º Prêmio Jabuti/2009, um dos mais importantes do país, da Câmara Brasileira do Livro, na categoria Contos e Crônicas. Está lançando o primeiro livro no Brasil com frases do twitter, www.twitter.com/carpinejar/ (Bertrand Brasil, 2009), reunião de mais de 400 máximas e aforismos.

"Um terno de pássaros ao sul" (2000, 3ª edição, Bertrand Brasil) é objeto de referência nos The Book of the Year 2001 da Enciclopédia Britânica, o juvenil "Diário de um apaixonado: sintomas de um bem incurável" (Mercuryo Jovem, 2008) foi adotado pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), e o infantil "Filhote de Cruz-credo" (Girafinha, 2ª edição, 2006) inspirou peça de teatro, adaptada por Bob Bahlis.

Recebeu vários outros prêmios como o Erico Verissimo 2006, pelo conjunto da obra, pela Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre; Olavo Bilac 2003, da Academia Brasileira de Letras; Cecília Meireles 2002, da União Brasileira de Escritores (UBE); duas vezes o Açorianos de Literatura, edições 2001 e 2002.

Participou de coletâneas no México, Colômbia, Índia, Estados Unidos, Itália, Austrália e Espanha. Em Portugal, a Quasi editou sua antologia Caixa de Sapatos (2005).

Atua como professor da Unisinos, no curso de Formação de Produtores e Músicos de Rock. Mantém oficinas de crônica e de poesia no Studio Clio. Desde outubro de 2005, escreve o Consultório Poético, que antes estava no site da revista Superinteressante e agora encontra-se no condomínio da Globo (Bloglog). É colunista da revista mensal Crescer, de São Paulo, e colaborador de jornais como Zero Hora e O Estado de São Paulo e de revistas como Caras, Cláudia e Cultura.

3 comentários:

Pri Sganzerla disse...

Que privilégio! Eu também tenho muita vontade de um dia participar de uma oficina dele. Conta tudo depois?

Bjos!

Augusto Amato Neto disse...

Prometo! Acho que vai ser fértil para a escrita... Quero autógrafo no meu Canalha! e foto pra postar aqui! Alta probabilidade de comportamento de fã! rs

Priscila Zavagli disse...

Eu tietei geral no meu encontro com ele! Fotos, autógrafos nos dois livros e uma boa conversa. Ele até me esperou na porta do banheiro! (Olha que honra!) Aproveite o máximo que puder, ele é uma pessoa iluminada como poucos que conheço. Leve minha inveja boa e vontade de participar junto contigo! Beijo