quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Com Licença, Paternidade!

Emoção verdadeira sempre teima de aparecer no lugar mais improvável. Tomava café na empresa com os amigos do trabalho quando me lembrei de que esta seria a última semana da secretária que atende a três departamentos, incluindo o meu. Ela está grávida e o médico recomendou que entrasse de licença a partir do fim de semana, voltando apenas no carnaval do próximo ano. E bastou falar no afastamento que meus olhos se encheram de lágrimas, a ponto de ter que sair para contê-las e ficar menos constrangido no refeitório. Não tenho vergonha de chorar, mas daí a ter plateia é outra coisa.

Questionaram se era carência. Talvez. E sendo, não tenho problemas com a dependência de outras pessoas. Só sentimos falta daqueles que fazem a diferença em nossa vida. Gosto da cumplicidade natural, que brota da convivência despretensiosa. Consentida e não necessariamente percebida. Nesses três anos e meio que trabalhamos juntos, ela sempre me recebeu com um sorriso, comemorou cada progresso do trabalho que eu desenvolvo, cuidou de minha agenda com muito carinho e sempre tem ouvidos interessados em saber como foi meu dia anterior ou o fim de semana, mesmo que eles não tenham sido nada interessantes.

Em determinadas situações profissionais, ela desatava a chorar e não havia quem tirasse uma explicação. Eu pressionava a confissão. Queria entender o motivo da tristeza e não me conformava com a reserva em esconder o agente e a ação. Ansiava saber o culpado, ensinar alguma estratégia para que ela enfrentasse a situação e, de repente, sofresse menos. Na formação como psicólogo aprendi a acreditar que a solução para os problemas é falar.

Na pós-graduação, aprendi o valor da comunicação não verbal e das sutilezas da interação humana. E nossa relação é um bom exemplo de um desenvolvimento interessante de sintonia. Dia desses liguei para me certificar que ela se lembraria de fazer o que pedi uma semana antes, e ela havia acabado de fazer. Nem sempre foi assim, tudo começou a mudar no final do ano passado. Ela saiu de férias em novembro e quando voltou em dezembro notei uma grande diferença em seu comportamento. Não sabia identificar o que era, mas deixei claro que algo me soava estranho. Passou o natal e o ano novo e ela me ligou no primeiro dia útil deste ano para contar a novidade. Estava grávida.

A mudança identificada anteriormente passou a ter uma explicação. Ao contrário do que se espera nesta situação, ela ficou menos emotiva durante a gestação e desenvolveu inclusive certa ironia para lidar com os dissabores gratuitos do trabalho. Emotivo fiquei eu. E nas situações das mais inesperadas, como a dessa manhã.

No ambiente de trabalho, descrever uma relação deste tipo é pedir para ouvir uma piada de segundas intenções ou de intimidade além da conta. Mas nossa relação sempre foi de muito respeito e, por isso, tão significativa. Não há pessoa melhor que ela para dividir minhas desventuras amorosas.

Gosto de ser inusitado quando presenteio e mandei fazer duas sungas pro bebê. Um incentivo pra receber a visita deles neste tempo da licença maternidade, já que trabalhamos em um clube. Quando eu gosto de alguém, pego carona nos seus sentimentos. Divido as alegrias e me antecipo na tentativa de dissipar as tristezas. Isso não é privilégio de quem entra em minha vida, e sim de quem permanece nela. Ela, o marido e o filho são escolhidos para contar comigo. Fui curtindo com eles cada ultrassom, a compra da casa, a reforma. O Pedro está crescendo forte e deve nascer em setembro. Quando ponho a mão na barriga ele me cumprimenta. A reciprocidade com ela é tamanha que estou com medo das dores do parto, enquanto ela não vê a hora. Parto é nascimento, mas também é o presente da primeira pessoa que está de partida. Ela parte para o parto e eu percebo que eu parto para o novo.

2 comentários:

Rosa Maria disse...

Caro amigo Augusto.
Fiquei sensibilizada pelo que escreveu de nossa Amiga Geise...disse tudo em poucas palavras.
Ser Mãe uma dádiva muito grande!
Bjos....

Geise disse...

Obrigada pelo texto.....

Muito lindo, adoreiiiiii!!!!!

vc realmente é muito bom com as palavras....