quarta-feira, 14 de março de 2012

A Rotina é a Oportunidade de se Reinventar no Relacionamento

Arte de Weberson Santiago





Na convivência eu sou um chato. Em se tratando de mania, vivo na prática da substituição. Conforme esqueço de alguma, arrumo uma mania nova. Sofre quem convive comigo, quem divide o espaço na mesma casa. Que o diga a Natália.

Basta falar o cômodo que eu descrevo o que me aborrece. No banheiro, eu implico com os restos de sabonete que se acumulam na saboneteira. Não aguento ver os pedaços coloridos formando uma pilha, ainda que jogar fora me custe um pequeno desperdício. Enquanto eu elimino o resto do sabonete anti bactericida para abrir um novo, a Natália coleciona os restinhos do sabonete hidratante.

Ainda neste cômodo, me atenho a coleção de embalagens na prateleira do chuveiro. Uma coleção de shampoos e condicionadores fazendo volume com apenas um restinho, de maneira que, ao pegar um, o último da fila cai no chão. Mesmo incomodado com o cai-pega, não jogo fora. Vai que a Natália está guardando a sobra para uma ocasião especial.

Juntando meia dúzia de manias como essas, resolvi conversar com a Natália sobre como dividimos o espaço e como cuidamos de algumas coisas da casa. Ela ouviu tudo com atenção, acolheu a crítica. Não colocou qualquer objeção e não devolveu nenhuma reclamação.

Foi quando eu me esqueci de ter advogado a favor de minhas manias que eu percebi o que eu havia feito. No fim de semana seguinte, assisti de camarote a revolução. Ela registrou todas as reclamações e, sem falar nada, mudou de atitude. Passou a cuidar de nossa casa com mais atenção, a fazer na hora o que poderia deixar para depois e fez muita coisa além das minhas queixas.

Além de recolher os sabonetes no fim e jogar fora os vidros vazios de shampoo, deixou todas as tarefas da faxineira numa lista e ainda conseguiu aproveitar o tempo livre que sobrou na piscina depois de ajeitar toda a roupa.

No domingo, pulou da cama às sete e meia da manhã e foi direto para a cozinha. Queria fazer um bolo de chocolate e fechar com chave de ouro o super desempenho no lar. Era sua terceira tentativa. A receita mais uma vez não deu certo. Foi sua terceira frustração. A primeira experiência foi tentar repetir o sucesso do bolo de coco da adolescência, mas descobriu que a receita só funciona no forno da sua mãe. O bolo de banana foi batido na mão com todo o cuidado, mas ficou solado. O de chocolate foi sua terceira decepção.

Quando venci a preguiça, levantei e sentei na mesa posta do café diante da metade do mamão. Apesar de ter choramingado o fracasso do bolo enquanto tomávamos café, logo depois estava preparando aquele almoço, usando tudo que estava sobrando na geladeira. A única coisa que ela falou ao final do dia foi que quer aproveitar mais os finais de semana.

É impressionante como nós, homens, temos a dificuldade de cuidar de mais de uma coisa por vez. Quando eu propus discutir a relação com a Natália, só conseguia falar pelas minhas manias. Desconsiderava todo o resto e não conseguia olhar as razões dela para algumas displicências. As mulheres não. Elas são capazes de administrar várias coisas ao mesmo tempo, com muito menos aborrecimento, sem distribuir patadas. Enquanto eu me gabo por fazer duas coisas ao mesmo tempo, ela faz pelo menos três. Ao invés de se afobar e tomar atitudes intempestivas, sabe esperar a hora de mostrar o que ela pensa.

Para mim, ou melhor, para nós o relacionamento é a oportunidade de se reinventar. De deixar de lado uma mania para tentar vencer um limite que ficou escancarado pela relação, de fazer o conflito virar adaptação, de esquecer o que já foi, se for para começar de novo a fazer as coisas de sempre de uma maneira diferente. Eu vi que preciso esquecer das manias e lembrar dos nossos finais de semana.

Minha homenagem pelo dia da mulher foi baseado naquilo que ela é melhor para a minha vida: a mulher que sabe muito bem ocupar a nossa casa. Não é uma afronta presentear a mulher com um utensílio doméstico se o homem é capaz de perceber do que ela é capaz no malabarismo feminino dentro de uma casa.

Comprei uma forma de bolo nova para lhe dar de presente neste dia. E às sete da manhã do próximo domingo eu estarei de pé para repetir, com ela, a receita do bolo. E faço questão de repetir até que dê certo.


 UM CAFÉ E A CONTA!
| O conflito é o fermento deste bolo chamado relacionamento. Se bem aproveitado, a relação cresce.

Eis que no domingo seguinte o bolo saiu. Feito a 6 mãos.





Nenhum comentário: